quinta-feira, 9 de outubro de 2008

O último segredo


Hoje estou a escrever de uma esplanada em São Pedro do Estoril, no lindo mini computador da Rita Guerra, que ela gentilmente me emprestou. A miúda não aguenta a inveja que tenho desta peça e faz a caridade de me deixar dar uma voltinha com ela.

Trabalhei até às cinco horas, fui fazer uma pequena caminhada e vim para aqui, em frente ao mar, aproveitar o bom tempo que ainda se faz sentir. O que também se faz sentir, e de que maneira, é a queda do meu cabelo. É impressionante, ninguém imagina como isto acontece. Cai, cai, cai, sem parar (basta mexer-lhe e vem às mãos cheias) e ainda há tanto... Sempre me disseram que o tinha para dar e vender, parece que é mesmo verdade. Amanhã é dia de tosquia e em boa hora o faço, que o couro cabeludo dói imenso e já é difícil aguentar o peso deste cabelo.

É incontornável no dia de hoje a crónica do meu pai na Sábado, que emocionou alguns amigos, a quem vi umas lágrimas nos olhos. Além do prazer que lhe terá dado escrevê-la, e a mim lê-la, foi um momento de libertação. Primeiro, tive medo - e agora, toda a gente vai saber - depois, foi, de facto, libertador. Contei às colegas que ainda não sabiam e acabaram os segredos. Começava a perceber que muitas pessoas que mal conheço já estavam a par, e a outras, que me são mais próximas, ainda não tinha dito nada. A partir de hoje não vou esconder mais nada, só mais uma coisinha. A mim, não me vão vocês descobrir a careca. É o meu último segredo.

Beijos.
T.

7 comentários:

Anónimo disse...

Olá Princesa,

Todos os dias passo aqui para acompanhar o teu dia a dia, nunca sei o que dizer...a não ser que por uma grande ironia do distino tropeçei na tua vida. E ainda bem! É um prazer enorme conhecer alguem como tu. Bjs
Susana

Ninia disse...

Eu não acredito que a careca seja o teu último segredo.
E os segredos que eu sei ou souber estarão sempre bem guardados.
O artigo do teu pai já chegou aqui à Alemanha. Compreendo o orgulho de ter uma filha como tu. Compreendo que a medida é a mesma para quem te tem como amiga.

Anónimo disse...

Princesa...que vergonha :-)
Aqui vai a errata:
destino
tropecei
alguém

Eheheh sorry
Bjs

Anónimo disse...

Olá Teresa,
Como estás numa de revelar segredos,acho que chegou a altura de revelar o meu segredo: tenho sido uma leitora atenta mas silenciosa do teu blogue. Gostei muito do que escreveste na segunda-feira, sobre como adoras o que fazes e como te custa deixar redacção numa segunda-feira. Sinto exactamente o mesmo. Acho que o mundo nos deve achar loucos - e se calhar somos mesmo...
Quanto ao cabelo, tenho a dizer-te que só tu é que notas: ainda hoje te vi e estavas igualzinha! Se ele cair, continuarás a ter os teus olhos intensos, grandes, expressivos, belíssimos.
Não tens que te preocupar.
Um beijo,
claudia
P.S. - Escreves maravilhosamente!

Anónimo disse...

Ai vou descobrir a careca vou... se é que ainda tens mais alguma além da do teu pai e do Júnior...:-)
A mim é que tu não me descobres a careca...como se fosse preciso, :;-)
beijos e até já mana
m

Anónimo disse...

Querida directora, isto está registado: não vais ter mais segredos. Daqui a uns tempos, quando for feita a segunda edição do Momento da Verdade, vou increver-te :)
Beijos grandes. xau-xau, até amanhã, até amanhã

Anónimo disse...

Olá Teresa

Todos os dias te visito. Escreves lindamente. Ainda bem que a Pocahontas não sai a mim. Leio todas as semanas a crónica do teu pai na Sábado e realmente esta também me emocionou.
Quando a Rita voltar e eu for ter com ela, vamos beber o tal café.

Beijos da prima São.