sábado, 29 de agosto de 2009

The power of less

Adoro resoluções de Ano Novo, apesar de, claro está, ter resultados muito fraquinhos com elas. Duram pouco, é verdade, mas é sempre um prazer começá-las over and over again. E se qualquer pretexto me serve para prenunciar um belo recomeço de qualquer coisa (às vezes até uma segunda-feira basta), o início do ano II contra a minha doença é um excelente mote para uma nova listinha de boas intenções.
Assim, hoje arrumei, de alto a baixo, o roupeiro do meu quarto e (re)comecei a listagem dos meus livros num excelente programa de computador que encontrei na net.
O objectivo é pôr a casa em ordem, livre de coisas que só enchem e não servem para nada. Roupa que não se veste há anos, malas que não são usadas há séculos, sapatos esquecidos, livros de que não se gosta e que nunca se irão ler, revistas com anos, em que se acha que ainda se vai ler um tal artigo mas que é óbvio que isso não vai acontecer... lixo, lixo, lixo. E eu, com a costela de ferro-velho que um antecessor me deixou nos genes, tive sempre tendência para acumular tudo e mais alguma coisa. Mas desde que fiquei doente, deu-me a febre contrária: ver-me livre de tudo o que é superfluo. Ao longo deste ano, tenho dado imensa roupa, sapatos, brinquedos, levei livros para a biblioteca aqui da zona e deitei fora sacos e sacos de tralha que não servem para nada nem ninguém. Hoje, no primeiro dia do segundo ano da minha nova vida, recomecei a tarefa.
E é impressionante como, apesar das toneladas de tralha que vão, ainda fica tanta por cá... Amanhã vamos (outra vez) aos brinquedos da Jo. Cansa, mas a sensação final é simplesmente fantástica. Experimentem.

Beijos
T.

P.S. Só mais uma coisa: tenho sotão e duas garagens (uma sem carro!) Ou a resolução tem perna curta ou vou andar anos nisto...

9 comentários:

TeresaM disse...

Boa! Ontem fiz o mesmo com a minha filha, no roupeiro dela. Essa sim, é descendente de ferro velho que moi même, deita fora tudo o que não usa há mais de 2 anos, regra de ouro que só mesmo eu consigo seguir pois cada arrumação com o meu marido e filhos é uma constante negociação: há dois montes, o que eu vou fazendo subir...e o que eles, simultâneamente, vão fazendo subir (à custa do meu a descer, claro). Pois, quando fiz esta minha casa, fiz cave, desisti de garagem - a experiência anterior ditou-lhe o destino..tinha garagem que nunca tinha carros...era bicicletas, os tais monos, tipo colchão velho, tendas de campismo, latas de tinta, etc, etc e tal e os carros ficavam fora. Só que tenho uma cave muito grande...imagina...com 3 descendentes de ferros velhos...a tralha acumula-se....são 3 a acumular e eu a ficar possessa com o conservadorismo deles! Tudo, mesmo tudo há-de servir, não se sabe agora para quê mas...o futuro há ditar-lhe alguma serventia!
E o meu marido é o pior. Junta tudo, todas as revistas, mesmo quando já sabe, de antemão, que se precisar de pesquisar alguma coisa vai à internet, nunca às ditas revistas...
Mas gosto de "nos" ver, a estas 2 Teresas, numa de renovação! É isso: renovar por fora, à nossa volta, orgulha mesmo! é que deitar fora os trastes velhos, abre caminho para coisas novas e boas na nossa vida!
Beijinhos

Anónimo disse...

Eu faço essas limpezas todos os anos. Não tenho costela de ferro-velho mas tem o meu marido e a minha filha mais nova (a Mariana herdou do pai dela).É um alívio deitar o lixo que não serve para nada fora, mas tenho de fazê-lo sem ninguém em casa.
Cansa bastante.Andei antes de ir de férias a arrumar a arrecadação porque já não conseguia passar da porta, no fim do dia nem me podia mexer mas ficou óptima.
Com as garagens e sotão és capaz de levar uns tempos, mas vai fazendo aos poucos porque como dizes a sensação final é fantástica.
Espero que amanhã tenhas um bom dia de volta dos brinquedos que são do pior que há (barbies e roupinhas, tachos e panelas....etc.)
Não te canses muito, faz com calma.
Beijos
São

ninia disse...

Embora eu não seja muito de acumular coisas, já me aconteceu encher a vida de pessoas e de sentimentos por elas. E chega um dia em que faço uma selecção e deixo de deixar que os meus sentimentos me atinjam. Já vos aconteceu?

Madalena disse...

Meninas, parece a febre de sábado à noite. Foi o meu dia... Preferia uma banhoca na praia, ou um passeio à beira-rio... Mas não foi. Teresa, que listagem é essa? Podes dar-me o endereço?
Quanto às resoluções, também as fiz.(Devemos ser todas muito parecidas quando as condições também o são?!)
DEu resultado, mas tive a minha recaída na escola, no final do terceiro periodo.
O meu primeiro ano foi celebrado da melhor maneira: o meu filho mais novo marcou o casamento para o dia em que fazia um ano que eu tinha saído do Hospital. Fiquei feliz! Era mesmo preciso celebrar.
Beijinhos grandes

maguie disse...

heheheheh tambem eu hoje tirei o dia para faxina, ufa o meu filhote já é grandão mas mesmo assim ainda acumula tralha no quarto, roupa que não veste calçado ect...já foi tudo pra os contentores, por isso só agora consegui passar pelos blogs.

beijinhos
..

ana disse...

Less is definitely more. Eu não faço limpezas tão metódicas, mas, desde que descobri o bookcrossing, descobri o prazer imenso de partilhar os meus livros com desconhecidos e atrás dos livros vieram mais coisas. Agora junto menos tralha cá em casa. O mesmo não posso dizer dos homens da casa, pai e filho, que se tivessem caspa, até a guardavam em frasquinhos... Teresa, não desanimes. Um ano depois, apesar dos momentos de fraqueza, ou também por eles, és uma mulher mais forte e determinada. A tua família e os teus amigos agradecem-te. Um grande abraço.

Fipas disse...

É isso mesmo! Estou a fazer o mesmo! Ninia, já aconteceu e acontece, por vezes até penso se estou mais fria... mas não, chega de lixo e principalmente desse!
Beijinhos e boa semana!

Anónimo disse...

Não há nada melhor que deitar fora coisas que não nos servem para nada... e quando arrumas as gavetas, é estranho mas quando entras no quarto sentes que as gavetas estão arrumadas, fica uma energia diferente no ar... eu acho!
Fis isso à um ano, quando mudei de uma casa com 200 metros quadrados para uma de cem... foi uma beleza... ainda assim apesar de tudo arrumado, quase tudo, e a casa metade do tamenho, ainda um quarto que é a arrecadação e a garagem cá da casa.. mas está na lista, ficar arrumado até ao fim de Setembro... sim há que dar tempo à mente...

Ninia, sim acontece-me isso constantemente, graças a Deus, pior que acumular lixo em casa é acumulá-lo na alma...

Beijos muito grandes mana Grande
m

TeresaM disse...

Dia de faxina "interior".
Bons pensamentos!
Beijinho
TeresaM