quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Oh, não, mais uma...

Três meses depois de ter conhecimento da existência do meu cancro da mama já em estado avançado de metástases nos ossos, a minha colega, e chefe - e por acaso também prima em quarto grau como viemos a descobrir recentemente ao explorarmos o apelido Pais que compartilhamos - soube que tinha, ela também, a mesma doença, felizmente ainda que sem metástases. Foi operada, fez quimio, radio e agora acabou todos os seus tratamento, já usa o cabelo curtinho e, se Deus quiser, o assunto ficou resolvido.
Hoje, há minutos, recebi a notícia de que uma outra colega, da minha idade, tem cancro no pulmão. Está há semanas internada com o que se julgava ser uma pneumonia, mas na ausência de melhoras, fizeram-me uma biópsia que deu este malfadado resultado.
Em apenas um ano e picos somos assim três as colegas que, num espaço de 10 metros de distância entre os nossos postos de trabalho, lidamos com esta situação.
Estou triste e incrédula. Estamos, certamente, a baralhar estatísticas.
Beijos,
T.
P.S. Lá fiz a quimio, espero mesmo que tenha sido a última, pelo menos que não se repita antes de uns valentes anos de paz.

Whenever you feel fear, say yes to it as quickly as you can. Do not try to understand or argue with it. Your acceptance is the catalyst to freedom.
- Emmanuel (Thanks, Maria)

16 comentários:

Natália disse...

Olá Teresa
Infelizmente esta é a realidade.
Cada vez mais casos a aparecerem,e cada vez mais jovens,não sei onde isto vai parar.
Mas também temos que pensar que na medicina se está sempre a descobrir novos medicamentos,e hoje em dia já existem muitos tratamentos para nos deixar andar cá mais uns largos anos...é certo que passamos e sofremos muito...mas...calhou-nos a nós....
Beijinhos Amiga e uma ressaca levezinha.
E pensa...FOI O ÚLTIMO....

Natália disse...

Teresaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa.

Devemos ser almas gémeas.
Vai ver a que horas deixaste o teu comentário no meu blog,como é possível,estarmos a escrever uma para a outra ao mesmo tempo.

Teresa disse...

Pois é, Natália, estamos em plena sintonia, é o que é. Que bom!!! Beij.

maguie disse...

ola Teresa

eu estive hoje no Hospital das 10h30 as 13h quando fui atendida pela Drª a que horas estavas a fazer a quimio? quem sabe podiamo-nos ter cruzado.
Pois é amiga cada vez existem mais casos de cancro, infelizmente é uma doença que tem vindo a aumentar dia para dia.
Espero que tenhas uma ressaca bem levezinha, e finalmente foi a ultima, agora é só seguir em frente, eu ainda tenho um ano a caminhar para o hospital de 3 em 3 semanas, com o novo tratamento o herceptin, lá terei de voltar á sala de quimio, enfim ... a vida é assim, mas é preciso não desistir.

beijinhos
..

Teresa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Teresa disse...

Olá, Maguie, cheguei lá acima exactamente à uma e um quarto, foste tu a sair e eu a entrar. Se te vir conheço-te logo, principalmente se for ali.
Sim, o importante é mesmo nunca desistir, ainda que por vezes a gente nem saiba onde procurar as forças. Mas a verdade é que elas aparecem e nós vamos andando para a frente.
Um beijinho grande,
Teresa

Anónimo disse...

Querida "Outra"
Há demasiados casos e, cada vez em gente mais nova. Quando vou ao tratamento do Herceptin (amanhã, lá vou) fico sempre deprimida. Não por me saber ali, mas pela quantidade de gente que vejo por lá... Sempre cheio, a abarrotar, literalmente!!!
Mas por todos e todas, temos o dever de levantar a cabeça e ajudar os outros a erguerem a deles. Porque temos amigos para nos ajudarem a suportar as agruras do nosso "isolamento", porque temos família para nos apoiarem em todos os momentos menos bons...por eles e por nós: Há que andar para a frente!!
Beijinhos (a ressaca, eu sei que vai ser mais leve!!)
Um xi
TeresaM

Madalena disse...

Olá Teresa! Há-de aparecer alguma coisa que "dê a volta a este resultado". O meu pai teve sentença de morte aos dezoito anos: uma tuberculose grave, nos anos 40. Viveu mais sessenta e venceu o invencível, podendo assistir aos tratamentos bem sucedidos para casos como o dele, que deixaram de ser a tal condenação. Creio e acredito, com fé na vida e na ciência que vai acontecer o mesmo com o cancro. Aliás, já acontece, em parte. A Alice Vieira era um dos casos de prognóstico reservado, numa altura em que as coisas estavam bem mais atrasadas e aí está a escrever até mais não. E cá estaremos nós para contar as histórias dela aos nossos netos. E as da Isabel Alçada!!!!!Aqui, na minha escola, também fomos quatro, quase ao mesmo tempo!
Beijinhosssssssssssssssssssssss Teresa

Gatapininha disse...

Olá Teresa
Infelizmente ninguem está livre e as estatisticas são uma grande treta!
Eu considero-me uma "vitima" dessas estatisticas.

Espero que os efeitos sejam minimos, muito minimos.

Jokas e boa recuperação.

Xekim disse...

Olá Teresa.

Uma feliz noite e óptima quinta-feira.

Beijinhos, Teresa.

Anónimo disse...

Tens razão, cada vez há mais casos de cancro e em pessoas mais novas,mas eu confio na ciência e os casos de sucesso também são cada vez maiores.Não percas nunca a esperança. Espero que a ressaca seja leve, e depois o descanso....
Beijos grandes
São

Teresa disse...

Obrigada a todos. Boa sorte para amanhã, Teresa.
Beijinhos, fiquem bem

Natália disse...

Olá Teresa
Como estás?
Espero que esteja tudo a correr bem.
beijinhos e um bom dia.

EP disse...

Olá Teresa

Espero que passe depressa, lembra-te foi o ultimooooooo.
Que tudo corra como desejas.
Beijinhos

Xekim disse...

Olá Teresa.

Venho desejar feliz sexta com tudo a correr bem.


Beijinhos, Teresa

Teresa disse...

Muito obrigada a todos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!