terça-feira, 2 de março de 2010

Tristeza

Há dias em que carrego em mim todos os males do mundo. Em especial, no que diz respeito a crianças.

Acabam de encontrar o corpo da menina de 10 anos que ia no autocarro que foi apanhado numa enxurrada e caiu no fundo de uma ravina, nos Açores. Salvou-se o irmão gémeo. Imagino (ou talvez não) a dor daqueles pais e de todas as famílias que, de um minuto para o outro, se pulverizam, sem que nada o faça prever. Um outro garoto da mesma idade, em Paredes, morreu na sequência da queda de uma árvore. O que se sentirá num momento destes? Como se aceita uma tal fatalidade?

São estas as coisas que fazem os meus males parecerem pequenos e envergonham as minhas queixas.

Beijos
T.

7 comentários:

Anónimo disse...

Também sinto uma grande mágoa com estas mortes. Nem consigo sequer imaginar a dor daqueles pais.
Um beijinho
TeresaM

Anónimo disse...

Voltei aqui pra te ver... compartilho a tristeza contigo, parte das necessarias visitacoes de Saturno. Rogo aos ceus que faca por nos, o que nao podemos fazer nos mesmas. A tristeza deve passar, a compaixao nao. te abraco, ml

Janine disse...

Um beijinho, querida Teresa...
As palavras são tão dispensáveis nestas situações... São demasiado anti-natura...
Deixo um beijinho, apenas isso...

isabel guerreiro disse...

olá, sim, é uma tristeza sem fim.
Tb vi as noticias. Chocam muito.
um beijinho grande para ti.

Madalena disse...

Teresa, dói muito. Um beijinho.

Gatapininha disse...

Oi Teresa
É uma dor que não conseguimos imaginar nem queremos sentir nunca.
Este mau tempo já fez demasiadas vitimas.
jokas

maguie disse...

concordo plenamente contigo, são estas coisas que fazem os nossos males parecerem pequenos......

um beijinho muito grande Teresa
..