terça-feira, 15 de junho de 2010

Recebi isto hoje... Só para saberem... Não sei se é bom...

Mariela Michelena é psicanalista e editou, há dois anos, com grande sucesso Mulheres Mal Amadas. Agora, depois de ter sobrevivido a um cancro na mama conta a sua emocionante experiência, no livro "À noite sonhei que tinha peito"


Este livro é um relato comovedor contado na primeira pessoa, um testemunho único onde a palavra de ordem é a sinceridade. Uma sinceridade perturbadora.

Mariela Michelena rejeita a frase «não se passa nada», o sorriso e o optimismo são quase obrigatórios na sociedade em que vivemos. Em troca convida o leitor a uma viagem verdadeira e real onde ecoa a voz de um sofrimento a que todos os que passam por esta doença têm direito.

Mariela Michelena é psicanalista e membro da Associação Psicanalítica de Madrid (Associação Psicanalítica Internacional). Desenvolveu a sua prática clínica em Caracas, Houston e Lima. Actualmente exerce no seu consultório de Madrid. Publicou Un año para toda la vida (2002) e Saber y no saber. Curiosidade sexual infantil (2006). Em Portugal, pela Esfera dos Livros, editou com grande sucesso Mulheres Mal Amadas.


Nunca é demais darmos voz às mulheres que têm coragem para contar a terrível sensação de ver a vida fugir-lhes por entre os dedos.

10 comentários:

Gatapininha disse...

Oi Teresa
Não conheço.
Eu não tenho muita paciência para ler livros/ver filmes, relacionados com o tema.
jokas

Cinda disse...

Bom dia. Já ouvi falar, mas ainda não tive curiosodade de ler.
Pode ser que um dia destes, quando tiver um pouco mais de pachorra para rever o meu passado recente, o leia.
Beijinhos e continuação de boa semana.
Cinda

Natália disse...

Olá Teresa
Também não conhecia este livro,mas gosto deste género de leitura.
Ao rejeitar a frase(Não se passa nada)está certa,quantas vezes temos que mostrar um optimismo e uma alegria que sabemos bem que é falsa,mas por vezes temos de rir e parecer sempre optimistas,no meu caso faço isso muitas vezes para não preocupar os que me são mais chegados,mas sei que por vezes faço mal,ás vezes não merecem.
Bem ficou aqui um desabafo de uma optimista um bocadinho falsa.
Beijinhos e um dia melhor que o de ontem.

Alda disse...

Boa tarde Teresa
Também não conheço o livro, mas tenho alguns sobre o tema... agora estou a ler " Como venci o cancro".

Diz-me P.F. qual a editora para eu pedir ok? Mas vou esperar que leias para saber a tua opinião!

Beijinhos

Lina Querubim disse...

Teresa boa tarde, não conheço mas gostava de ler. Gosto de ler testemunhos reais e acho que muitos deveriam fazer para terem a coragem de falar sobre o assunto e saberem que existem muitas mais como nós (infelizmente!)
Mas que pode ser possivél lutar dia-a-dia e acreditar!
Eu tenho lido uns quantos pricipalmente quando é para ajudar associações e são relatos verdadeiros contados pela 1ª pessoa.

Desejo-te uma boa tarde e mais calminha :o)

Anónimo disse...

Só o título faz crescer água na boca...porque eu sonho isso muitas vezes...
Acho que o optimismo não tem que se divorciar do sentir real...só que sofrer, sendo um direito, deve ser convertido em algo positivo. Sofrer apenas é redutor, por vezes, literalmente, pois reduz a esperança de vida.
Eu penso de que....
TeresaM

Janine disse...

Um beijinho, querida Teresa!
Muito doce!

Anónimo disse...

Olá Teresa
Também comecei agora a ler, para já acho que deve ser interessante

Beijinhos
Natalia Neves

Madalena disse...

Eu li o Diário de Uma Terapia, da minha amiga Nini (a Ana das ilustrações!) que fala do cancro da mama na primeira pessoa. Corro o risco de me repetir, mas foi com ela que eu aprendi a sobreviver a esta condição. Assim aprendesse eu a conviver com as outras condições que não vivem em mim, mas vivem comigo!!!!! Ela desdobrou-se em doente que foi e em psicoterapeuta que era. O resultado foi a tal descoberta de querer fazer mais pelos dias que fazem parte da vida. Esperamos sempre muitos e normalmente são muitos. Mas se não os rentabilizarmos (será que se diz assim?) ao máximo, depois, no saldo é pouco. Depois disso nunca mais parou. Agora estacionou em Nova Iorque, um mês e picos, para fazer mais um curso de desenho. Os nossos próximos livros vão ser um must!!!! lol (É preciso é que eu escreva.... Bem, mas ela também escreve. É uma faz tudo)
Tudo isto para dizer que estou sempre aberta a estas leituras pelo que podemos retirar de lição para nós e para a nossa vida. E se acharmos que não, vai para o lado. Mil beijinhosssssssssssssss

Lina Querubim disse...

TeresaP tens que emprestar á je é que tenho gasto um bom guito em livritos ;o) quando leres e nos encontrar-mos emprestas que eu devolvo!
Tem um V de volta ok?
Beijoka fica com os Anjos