quinta-feira, 22 de julho de 2010

A vida a medo

Deambulei pelos blogues, sem grande ânimo, que eles não andam ricos em optimismo. Esta semana levámos todas uns murros no estômago e ainda estamos a tentar recuperar o fôlego. Quando o cancro impiedosamente devora pessoas a velocidades-relâmpago, como fez com o jovem Tiago, ou deixa sem mãe duas meninas tão pequenitas como as filhas da Lénia, não há como pensar... em tudo.
Pensar nas vidas encurtadas de quem parte manifestamente cedo demais, pensar na dor dos que ficam privados desses afectos que lhes pertenciam por direito, e depois, depois pensar em nós, naqueles que também foram tocados pela doença diabólica, que nos rodeia, pairando como um abutre esfomeado.

Como nos fazia hoje pensar a TM, enquanto lutamos directamente contra o cancro, corpo a corpo, acabamos por ser mais fortes. É tudo tão difícil que, naquela altura, encontramos em nós as forças de reserva que as pessoas têm armazenadas para as grandes tragédias. E usamo-las... gastamo-las. Passado o que se julga ter sido o pior, a guerra não termina e regressa-se o cambate sujo. O cancro ali, dentro do meu corpo, invisível e traiçoeiro a tecer a sua estratégia e eu aqui, do lado de fora, barata tonta, a multiplicar-me em exames para tentar descobrir algo e a desejar nunca encontrar nada. E com as forças mais gastas, também elas a recompor-se...

A minha médica explicou-me esta semana que, por vezes, o cancro abandona os tumores primários e as suas metástases e vai criar colónias novas, sabe-se lá onde... Perante um golpe baixo como este, alguém pode dormir descansado? Eu não...

Beijocas a todas, espero ver muitas de vós amanhã.
T.

14 comentários:

maguie disse...

concordo contigo amiga, esta semana tem sido uma semana terrivel...

dorme bem, amanhã nos encontraremos
beijinhos
..

Gatapininha disse...

Beijokas e divirtam-se amanhã.
A vida são dois dias e temos que os aproveitar muito bem.

Graça disse...

Beijinho Prima,
Esta vida é muito ingrata...Maltrata sempre aqueles que menos merecem!!
mas não podemos desanimar, temos que estar sempre preparadas para a luta.
beijinho

Lina Querubim disse...

Beijinho grande fica com os Anjos!

Madalena disse...

Querida Teresa, beijinhos. Tudo isto dói.

Isabel Preto disse...

Não há muitas palavras que se possam dizer para animar, quem vive aterrorizado pelo medo...Teresa, tens de ter fé e a esperança, que acompanha a Natália...tens de inventar o firmamento de que fala a Madalena...Vive intensamente cada momento, deixa a dor "trancada e esquecida" no mais profundo de ti e pede a Deus que te ampare sempre.
BEIIIIIIIIIJOOOOOOOS

Janine disse...

Olá querida Teresa,
É verdade que andei ausente de tudo esta semana (foi uma última semana inesquecível). Ironia, quando regresso ansiosa aos vossos blogues e vejo a semana inesquecível, por motivos opostos, que tiveram. Fui hoje ao blogue do Tiago, impressionante... Não há palavras...
De qualquer forma, a vossa força, mesmo que por vezes abalada, tem de persistir nesta cadeia de afectos que montaram. Nesta cadeia de amizade que já nada tem de virtual (sei que hoje vão estar no parque das nações, na apresentação do Flamingo Zé - tenho pena de não poder estar, mas novas oportunidades surgirão).
Fica o meu beijinho enorme, com a certeza de que em breve estaremos juntas... ;) Muita Alegria para o Parque da Nações! Beijinho

Madalena disse...

Querida Teresa, este post dormiu comigo esta noite. Deu forma à dor do dia antes que não se esvai instantaneamente, como todos nós desejamos. Mas fiquei a pensar no que a médica te disse. Mas, Teresa, isso é o que pode acontecer a qualquer um, mesmo ao mais saudável e feliz do universo! Acredita, querida Teresa, que tens dentro de ti a ordem para as células andarem todas certinhas. Emite-a! Isto pode soar um bocadinho àquelas coisas estranhas, mas não custa tentar.
Era isto que eu te queria dizer hoje, antes de te dar o abraço grande à tarde à hora dos flamingos...

Anónimo disse...

Querida amiga
é como escreves, o murro foi impiedoso, deixou uma nódoa negra, pois os que partem levam connosco um pedacinho da nossa esperança e o optimismo ressente-se...
De qualquer maneira como diz a nossa "Nobel" não há espaço para os maus pensamentos porque vão orientar as nossas células por caminhos que já lhes tínhamos fechado. Pega na tabuleta que tombou, com esta rabanada de tristeza e volta a empurrá-la bem fundo no chão. A seta é só uma, a direcção da Vida.
Não vou poder estar com vc no dia de hoje: O dia da Madalena!
Jinhos
TM

Madalena disse...

Minhas queridas Nobel da Vida! Eu hoje queria estar feliz, mas ninguém consegue encomendar dias por medida. A felicidade vai ser estarmos juntas, mesmo que seja só no coração como é o caso das meninas que não podem ir. Vou daqui para a "Estrelinha" em busca de boas notícias. Beijinhos muitosssssssssssssssssssssssssssssss

Anónimo disse...

Muita força, fé e coragem. Nada mais vos posso desejar. De facto qualquer um pode ser atacado, até o mais saudável, mas acredito que seja menos fácil para quem já teve a infelicidade do ser anteriormente.
É tentar orientar a cabeça e e aproveitar a vida a cada minuto. Medita mana, é nestes momentos que esse exercício te pode ajudar a encontrar alguma paz.
Beijos grandes a todas, e muitos especialmente para ti mana
Amo-te muito

m

angelina disse...

Querida amiga
venho so desejar um bom fim de semana e um chicoracão grande
angelina

ClaudiaV disse...

Olá. tenho 32 anos e descobri o mês passado que tenho cancro da mama. Também fiz logo um blog:
http://abatalha-cancrodamama.blogspot.com/

Ontem coloquei um cateter (é o que faz ter veias de princesa q nem sequer dao para achar um sitio para o soro- entao ontem foram 3 tentativas só pra arranjar uma pro soro)

O blog só nao tá actualizado desde ontem pq enfim, depois do cateter enrolaram-me como uma mumia e escrever ao pc só com uma mao. :)

Deram-me o seu blog através de uma amiga comum para eu tb ir acompanhando. Mais tarde vou ver a sua história com mais atenção.

Muita força. beijinhos

Anónimo disse...

... o que tenho mais a dizer, nada; posso estender a minha mao que 'e tudo. te amo, ml