terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Tudo com calminha

Não sou totalmente desprovida de qualidades, reconheço algumas que até acarinho com orgulho. Mas também sei que me faltam ferramentas que, em boa verdade, deveriam ser de base em qualquer pessoa.
A primeira, e a que mais falta me faz, é a capacidade de gerir situações com calma. Tenho dificuldade em falar baixo, devagar e com tranquilidade, em pensar bem no que digo antes de disparar (as palavras podem ser, na minha boca, uma arma letal, ou, para não exagerar, bastante perigosa), e em traçar um plano de organização e levá-lo a cabo.

O turbilhão de pensamentos, ideias, projectos, sensações e sentimentos, tudo misturado na grande cimenteira que é o meu cérebro resultam na desarrumação física e mental que se vive ao meu redor. As coisas ficam a meio, os papéis não chegam a ser arrumados no sítio certo, os compromissos (não profissionais) ficam de lado, o tempo passa, a angústia chega... e pronto, temos a bola de neve em plena acção, essa sim, com vida própria.

Por não ter ido à TMN tenho uma (segunda) conta enorme de telemóvel por causa de internet que pago e não uso; por não ir cancelar um seguro de um equipamento que já não tenho, continuo a pagá-lo, por não ter guardado o seguro do carro no carro (onde mais haveria de ser?) estive ontem a gelar no meio da rua às duas e tal da manhã para me passarem uma multa; por não encontrar a receita tenho uma venda suspensa na farmácia quase a terminar o prazo (e são 90 dias), por não combinar encontrar-me com amigos sofro com remorsos e saudades deles; por não ir buscar a minha camisa favorita que está na lavandaria há um mês, não a visto... E isto é só uma amostra, seriam tantos mais os exemplos, e alguns bem graves, como os que dizem respeito à pouca assistência que às vezes dou à única pessoa que depende de mim: por não ter passado mais tempo a pesquisar na internet, o trabalho de música não ficou tão bem feito como poderia ter sido...

Pronto, fica o desabafo. Mudar, em princípio, é que não muda nada.

Bjs,
TP

9 comentários:

Madalena disse...

TP, posso dizer-te que tens uma qualidade humana imensa? Posso dizer-te que em ti o sentido de humor e a sensibilidade se fundem numa harmonia difícil de encontrar parecido? (Quanto mais igual!) Posso dizer-te que em ti sobressai uma inteligência atenta e viva que é certamente responsável por esse turbilhão de emoções? Nao deixas passar nada, não é Teresa? O que deixas passar é o papel, o inefável papel, na óptica dos burocratas, claro!
Teresa, não mudes mesmo. A Jo orgulha-se com toda a certeza desta mamã graaaaaaaaaaaaaaaande!
jinhosssssssssssssss

Susana Neves disse...

Teresinha, lá que te recrimines ainda vá, agora que me deixes a mim com remorsos é que já não posso aceitar.

Também sou assim :(

Podíamos ser melhores? Claro que sim, mas não somos assim tão más. Não podemos ser exigentes demais connosco

Beijinhos
grandes

IsaLenca disse...

Há coisas bem piores....desligada das coisas materiais? Ok. Mais importante é ser humana e amiga!

E falar alto....é bom para descontrair....nada de ficar com as palavras entaladas!
Bjs

sonia disse...

Sabes Teresa já fui o oposto de ti,(pelo q dizes neste post) e não fui nada feliz.Demasiado rigida e perfeccionista...a vida é muito mais do que isto!!
Talvez porque queiras fazer muita coisa num só dia e ele só continua a ter 24 horas...
1ºnós e aqueles que dependem de nós e depois os que amamos e assim por diante,finalmente aquelas "tretas" que tem de ser feitas,tais como ír á lavandaria,seguros,papéis,etc,etc.
Só convém mudar se realmente for essa a nossa vontade,não por opiniões alheias.
E,tenho a certeza que a tua filha ADORA-TE,assim como és.

Beijinho

Nela disse...

Eu podia estar para aqui com montes de elogios, mas isso era o que tu querias.... Esperta!

Achas que se fosses tal como alvitras, serias melhor pessoa? Isto assumindo que se pode alterar a natureza de cada um...

Não tenho a certeza de nenhumas dessas coisas...

(Aqui para nós que ninguém nos ouve: eu também grito muito... Shiu...)

Gatapininha disse...

Olá Teresa, eu também vivo nesse caos e tal como tu me pesa a consciência, mas como o dia não estica, eu tento organizar o tempo de forma a acompanhar as pulguitas. O resto vai-se fazendo:)

Lina Querubim disse...

MAS...NOS FINALMENTE ESTÁ TUDO OK :O))))))))) TEM COISA MELHOR???? BJ

Natália disse...

Não mudes Teresa.
Estás muito bem assim,se mudares deixas de ser a nossa TP LINDona,stressada e despistada.

Nada de remorsos.

És uma grande Mulher e uma boa Mãe,se não fosses não pensavas estas coisas.

Hoje
estou muito feliz com o OK.

Beijinhos.

Guida Palhota disse...

TP, só consigo dizer-te: Compreendo-te tão bem, minha amiga! E: de vez em quando, tenho acessos de perfeccionismo e, num dia, trato do que não tratei num ano. Sério.

Muitos beijos

P.S. Gosto de ti assim.