sexta-feira, 27 de maio de 2011

Força, miúda

Tenho uma amiga que está mal. Se não for do cancro, será da cura. Neste momento não sei mas desejo intensamente que mais não seja do que fortes efeitos secundários do tratamento de quimioterapia que decorre. A minha esperança vagueia, ora vai, ora volta. A dela, não sei, que ela não diz, como nunca disse. 

Já a vi passar por tanto... e sempre deu a volta por cima. Habituei-me a vê-la sobreviver a um cancro que a tem perseguido sem tréguas, em persistentes recidivas. Agora ela está mal. Sem defesas, pouco se alimenta, não consegue comer e está cada vez mais fraca. Na voz, reconhece-se-lhe algum desânimo e um extremo cansaço. E tenho medo.

Afasto a tentação de pensar em mim, ao fazê-lo sinto-me a usurpar a sua dor. E a sua luta. Não tenho esse direito, grito para dentro: "Isto não é sobre mim". Mas é. Cada pessoa que combate um cancro tem consigo um pedaço de mim. Isto não é lamechice, vocês que sabem, sabem que é verdade. 

Estou à espera que ela volte. 
Força, miúda.

T.




 








10 comentários:

Anónimo disse...

não sei como animar-te pois esse é um momento que causa enorme sofrimento. Pela tua amiga e pelo que dizes: cada uma que adoece é um pedaço da nossa carne que a doença atinge. Sei-o...
Um abraço
TM

Lina Querubim disse...

Beijinhos TP para ti e para a tua amiga :o) quem sabe se ela mais uma vez volta???? É uma lutadora há séria pelo que li portanto...mais uma luta!

IsaLenca disse...

Força para a tua amiga e força para ti também Bjs

Natália disse...

Teresa neste momento são poucas as palavras que consigo escrever,infelizmente sei bem como te sentes...mas vamos ter FÉ e ESPERANÇA.

Força para as duas.
Beijinhos

Madalena disse...

Um beijinho muito grande, TP! Força, miúda, para ela. Força, miúda, para ti.

Nela disse...

Teresa, sei que vou contra a corrente. Mas, pela tua amiga, dá-lhe espaço (mental, emocional, de coração) para ela fazer o seu próprio percurso. Às vezes, o percurso é não voltar. E também temos (é nossa obrigação pela amizade que existe) que estar presentes mesmo quando é (se for) para não voltar.

E é verdade: isto não é contigo, em termos de doença! Contigo, agora, é estares com a tua amiga em tudo o que ela precisar - incluindo deixá-la partir, se for o caso...

Gostava de ter outra coisa para te dizer. Mas se o cansaço é tanto e a vida tão pouco, o que é melhor?

Xi-coração apertado. Eu SEI o que estás a passar e a sentir. Por isso, gostaria de estar perto de ti para te dar um grande abraço

ClaudiaV disse...

Ás vezes o cansaço apodera-se de nós e queremos ficar quietinhas e nao lutar. Temos de nos lembrar do que é importante, das coisas que nos fazem sorrir todos os dias, das alegrias que ainda existem nesta terra e que nos dão tanto prazer. Ter uma amiga ao nosso lado para nos confortar é o inicio desse despertar para a luta e isso já estás a fazer! :) beijinhos e as melhoras para a tua amiga.

Ps. Ela tem de comer. Sê daquelas amigas chatas, mesmo chatinhas e obriga-a. :) Nem que seja com o prato favorito dela de comida!

Teresa disse...

Eu nem sequer a vejo, é só por telefone...
Não quero que me dêem força a mim, eu não sou nada aqui, mas gosto muito dela e dói-me que sofra assim, ela, a filha, o pai... Enfim, de um dia para o outro tudo muda desta forma. De resto, a força de q falam vai toda para ela. Beijos

angelina disse...

Tambem estou contigo e com ela
beijinhos para as duas

Anónimo disse...

all that comes to mind is the largess of Soul... we're all One. te amo, ml