quarta-feira, 22 de outubro de 2008

A minha macaca


Não faço ideia porquê, mas num contexto carinhoso, claro, comecei a chamar macaca à Joana. Ela achou graça e até dizia que era "a macaquinha da mamã". Agora que cresceu mais uns centímetros (está com 118), já reclama: "Ó mãe, chama-me só Joana!". Pronto, não se pode brincar. Mal ela sabe que quando era bebé nós lhe chamavamos macaca um tudo nada mais a sério, quando as orelhas de abano da piquena a faziam parecer mais do ramo chimpanzé do que do humano. Águas passadas, que a miúda hoje até é gira e mais parecida com a mãe do que em bebé, quando, apesar do supracitado problema, toda a gente jurava que era a cara do pai. Claro que era.

Entretanto, quando a palavra chave ainda ma bailava na cabeça durante o dia, arranjei outra macaca. E esta, ao contrário da Joana, e vá lá saber-se porquê, até gostou da graça. E como já é mais do que famosa neste blogue, e não só, uma vez que estamos a falar de uma artista portuguesa, aqui a apresento a quem não a conhece. É a minha macaca Lígia, excelente secretária de redacção da tvmais, magnífica cabeça de cartaz nos espectáculos da Academia de Santo Amaro (não a percam) e uma maravilhosa amiga para todos os momentos, bons ou menos bons. Nunca falha. Para não faltar à verdade, e o Maciel (com quem a disputo fervorosamente, mas ela dá para os dois) não me deixa mentir, também é um bocadinho médica e dá consultas... por telefone. O que ela ali receita e aconselha o dia todo aos milhões de amigos que padecem de tudo e mais alguma coisa... Como agora, eu própria. Que me perdoe a dra. Manuela, mas tenho mais esta verdadeira profissional da saúde a olhar por mim todos os dias. Já hoje levei com um dióspiro, que faz muito bem a não sei quê, ontem foi um chá, mimos em farta, enfim, um consolo. Com o (enorme)coração ao pé da boca, a secretária de Alcântara pode ser um perigo, já que é dona de um vocabulário, digamos, avançado, e de uma sinceridade medonha. E pronto, mais não digo, já chega, não é, para estarem todos a adorá-la.

Um destes dias direi também umas simpáticas palavras sobre o querido Peter Pan, mas para isso ainda tenho de descobrir quem é. Desconfio, mas as investigações prosseguem. Alguém tem ideia?

Beijos,
T.

P.S. A saúdinha vai boazinha, hoje senti-me um pouco cansada, mas de resto tudo ok.

P.S. 2 Para que não restem dúvidas...




12 comentários:

ana disse...

Este post reservava-me várias surpresas. A primeira é que também a minha filha tem orgulho em ser 'a macaquinha da mamã'. Agora que fez 4 anos, fez finca-pé, para deixar de ser chamada 'bebé', mas não abdica do 'macaquinha'. A segunda é reencontrar aqui uma vizinha(que não conheço)que já decerto vi brilhar no palco de Sto. Amaro, o meu amado bairro. Obrigada por este sorriso inesperado que me trouxeste, Teresa.

Ninia disse...

Esta macaca só podia ser de Alcântara. Grande freguesia, cada vez mais na moda.

A nossa macaquinha Joana, era e é linda, parecida com o pai ou com a mãe.

Ana Almeida disse...

Olha que a macaca é mesmo um espectaculo(isto faz mesmo sentido), chega para ti, para o Maciel e para todos nós!Beijos para ti e um especial para a macaca de quem tanto gosto!Até amanhã... Ah é verdade foi tão bom o regresso da Paulinha não foi? Ai que saudadinhas e que falta que nos fazia! Beijo

Ligia disse...

Confesso que com tantos elogios nem sei o que escrever, mas aproveito para agradecer à directora, ao director e a todos os que me gastam o nome diariamente, pela amizade e o carinho com que me tratam.Acreditem que gosto muito do que faço e de o partilhar com todos vocês. Da T podia dizer um milhão de coisa, mas não é facil falar de quem se gosta verdadeiramente e de quem é uma Amiga tão grande. Fico por um simples obrigada por tudo o que tem feito por mim e me tem dado. Pelo bom e pelo menos bom que temos vivido. Um grande beijo para ti minha guerreira, da tua médica, enfermeira, secretária, enfim...da tua Macaca que te admira e ama de coração. Doru Tu tudo, Gí

Anónimo disse...

Olá boneca é só para desejar um bom dia, não abuses nos horários e descansa.
Beijos
nina

Anónimo disse...

Querida directora, deixo-te aqui um aviso de amiga: olha que a macaca não é de Alcântara, é de Sto Amaro. Não lhe troques o bairro se não é uma grande macacada. bjs. e não abuses. À hora que te escrevo este post deverias estar a ir para casa dormir a sesta. lembras-te? xau-xau, até amanhã, amanhã

ps - os pelinhos nas pernas são muito sexy (!!!!) conheço umas assim

Ninia disse...

Para quem não sabe Sto Amaro é fregusia de ALcântara.

Anónimo disse...

ela de facto era uma macaquinha, nunca a tinha visto assim, mas mãe é mãe...:-)
mas que era a macaquinha mais linda do mundo era.
Continua linda mas... agora princesa, e talentosa...
beijos de uma mana e tia babada
m

Anónimo disse...

eu acho que tenho uma pista do peter pan...
m

Teresa disse...

Para mim, Âlcantara ou Santo Amaro é tudo farinha do mesmo saco: é tudo malta além-Belém, pessoal do Atlético (argh!!!). Santo Amaro é mais bonito, pronto, só isso.

ana disse...

'Para mim, Âlcantara ou Santo Amaro é tudo farinha do mesmo saco: é tudo malta além-Belém, pessoal do Atlético (argh!!!). Santo Amaro é mais bonito, pronto, só isso.'

Blasfémia! Herege! Vai de metro, satanás!

Marisa disse...

A sua macaca ainda consegue ter tempo para adoptar crianças desprotegidas que andam por aí.. Lolol! A Gi adoptou-me como filha há algum tempo e eu adopetei-a a ela como mãe e tem sido maravilhoso descobrir o ser-humano fantástico que ela é... Tudo isso que a Teresa disse e muito mais!

Beijo
Marisa Carvalho