sábado, 11 de outubro de 2008

Neura


Desde que ando nisto, já vai para mês e meio, aprendi algumas coisas novas sobre mim, a vida, e a perspectiva de que ela não é infinita, ideia com que os dois nonagenários e os três octogenários da família mais directa, sem querer, me enganaram. Já para não dizer que todos eles tiveram pais praticamente centenários.

Muitos outros ensinamentos virão, ainda mais importantes, espero. Mas uma coisinha simples que já sei é que, na situação actual, não posso ficar em casa um dia inteiro. Só que continuo com dores de garganta, e ele, o pânico de ficar com febre e não poder fazer o segundo tratamento na próxima terça-feira, não me larga. Por isso, mal surge uma gota de chuva, assola-me o terror gaulês do próprio céu me cair em cima da cabeça, e refugio-me em casa. Fi-lo num dia desta semana e hoje repeti a graça. O resultado foi, mais uma vez, desastroso. Os dias passam-se mais ou menos bem, mas ao final da tarde, recebo a indesejada visita da amiga neura. E o convívio entre nós as duas juntas e os outros torna-se, praticamente, impossível.

As minhas desculpas pelos telefonemas não atendidos e mensagens não respondidas. Estou um bicho. Mas amanhã saio da toca, nem que seja por cinco minutos.

Resta-me o consolo das vossas simpáticas mensagens (mentirosas) a dizer que eu fico bem com este pêlo de rato em cima da cabeça, em vez da frondosa trunfa de que tive de me despedir ontem. Dizem que o cabelo depois vem diferente. Já me estou a animar com a ideia: será que vou, finalmente, realizar o sonho infantil de ser uma louraça de cabelo ondulado?

Mil beijos,
T.

7 comentários:

Ninia disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Ninia disse...

Percebo perfeitamente quando os dias parecem não ter um objectivo específico. Aqui no meu exílio isso aconteceu-me já em muito muitos fins de semana. Sei bem que a neura de que falas não é igual à minha, mas o receio de não se poder viver a vida plenamente, é.

E já agora, loura de cabelo ondulado também ficarás muito bem. Aliás todas as mulheres depois de uma certa idade ficam louras.

Anónimo disse...

Agora percebo porque não respondeste aos meus telefonemas. Estás perdoada! Não era nada importante, era só para falarmos um bocadinho e dizermos uns disparates.

Anónimo disse...

Esqueci-me de assinar! Embora tenhas descortinado logo a identidade da figura. Acho eu. Beijos
Sónia

Anónimo disse...

Se calhar o melhor é arranjar um belo programa caseiro... se Maomé não vai à montanha...
Chama amigos para ir aí a casa conversar, jogar, ver um filme... faz bolos, bolachas ou sopa com a joana... escreve um livro, faz crochê, mantêm a cebeça leve, agora é mais fácil...:-)
os dias acomeçam a ser cinzentos e nem sempre o sol brilhará...
E posso levar a rteceita dos bolos, ou até dar-vos aulas práticas...
beijo grande querida
m

pocahontas disse...

Priminha, recebe esse sol carioca maravilhoso que eu estou enviando para você telepaticamente. Captou? Isso mesmo, não está muito calor, apenas 27 graus e a água do mar a 19. Hoje tem a procissão de Santa Rita de Cássia, porque o povo sabia que eu estava chegando e organizou em minha homenagem. Bacanas, esses brasileiros, não é mesmo?
Desculpa a invasão familiar...
Adorei seu new look. Quando tudo passar vai ficar mais gata do que nunca! Te adoro. Um beijo gostoso com cheiro de água de côco.

Ligia disse...

Essa historia de me chamares mentirosa não está correcta. Quer dizer , até tenho perfil para o ser, mas acredita que gosto mesmo de ter ver. Mas também percebo, Uma gaja não tem culpa de ser tão gira... Doru tu tanto