terça-feira, 7 de outubro de 2008

Um belo almoço


Acham que me conhecem bem, não é? Então, fechem os olhos... Imaginem-me (com generosidade, vá lá) numa bancada de cozinha, a cortar cebola, tomates, beringela, rebentos de soja, alhos, couve coração, a cozer esparguete integral e a cozinhar tudo no meu novo utensílio culinário, o wok. Impressionante, não é? Couve coração, isto existe e em minha casa... Uma delícia que podem testemunhar na foto de hoje e que me serviu de (belo) almoço. Qualquer dia até consigo fazer sopa e, mais além no tempo, quem sabe, cozinho mais alguma coisa na Bimby, além dos crepes que fiz no Verão, bem passado, de 2007.

E sobre mim e o meu estado de saúde hoje nem devia dizer nada... A coisa não está famosa. Às vezes, resisto a ser sincera para não preocupar ninguém, mas, afinal, se não for para relatar o que se passa, o que estou aqui a fazer? Terapia... sim, também, isto é claramente um acto egoísta, não posso negar. Privilégios tristes de gente com doenças tramadas.

O dia chuvoso não deve ter ajudado, senti-me deprimida logo desde que acordei, ou a partir do momento em que abri o estore, não sei bem. Não é costume, mas lá deve ter de ser de vez em quando. Sinto-me cansada, com algumas dores nas costas e um tanto ou quanto paranóica, com medo de ficar com febre. Acho que foi mais por esta última razão que fiquei fechada em casa o dia todo; só dei uma voltinha de manhã, mas aqui na Parede. Tive de fugir das mil constipações na redacção (a Sandrinha até mandou mensagem a avisar da dela), já que não posso, nem quero, fugir da tosse imparável da Jo.
Está a esvair-se a esperança do cabelo não cair (só eu é que a tinha mesmo), hoje notou-se bem a perda... Fico com a mão cheia de fios quando mexo na cabeça, mas não se vê alteração nenhuma de visual. Ainda tenho uma farta cabeleira, mais do que quase todos vocês, a começar pelo meu pai e o Júnior :-). Este assunto não é nada pacífico para mim. Nem consigo perceber por que razão é que deprime mais o cabelo a cair do que a convivência e a luta contra um cancro. Haverá algo de fútil nisto... A explicação que dou a mim própria é que a exposição pública da doença, assim como o batido tema da imposição da dita cuja à minha filha, deixa-me ainda mais doente. Se vos disser que escrevo isto com lágrimas nos olhos, vocês prometem que não deixam mensagens piegas? Por favor, não, para piegas já cá estou eu. Hoje. Amanhã é um novo dia. E, como o cinzento não ajuda, se o sol brilhar um bocadinho, melhor.

Beijos.
T.

10 comentários:

Ninia disse...

T., tu sabes porque é que o cabelo cai.
Tu sabes porque é que não podes estar exposta a constipações ou gripes.
Tu sabes que há dias melhores e outros piores.
Tu sabes.
Tu sabes tudo.
E agora até sabes cozinhar.

Anónimo disse...

Olá amor é só para te dar um beijo grande desejar-te uma boa noite e que amanhã seja um dia com muito Sol.
Beijos grandes amor dorme bem.
nina l

Anónimo disse...

Bem... quando é que vou almoçar uma comidinha saudavel feita pela minha irmã?... Tens a certeza que não foste ao take away e agora nos dás com a foto a dizer que tu é que fizeste?...:-)
Essa história do cabelo não tem nada de fútil, até porque isso é coisa que tu não és, mesmo!
O cabelo tem a ver com a joana, e com teu profundo amor por essa farta cabeleira, e de como adoras, e sempre adoraste, que te fizessem festas ou ecovassem o cabelo, bem me lembro da D. Elisa de escova em punho, sempre pronta para fazer as delicias da neta, após o almoço...
Olha tenho a certeza que ele vai tornar a crescer, e muita escova por essa cabecinha ainda vai passar...:-)
E por favor se o Sol não brilhar amanhã, e o tempo estiver de chuva, lembra-te que o Sol não tardará a voltar.
e nem penses que me esqueço do almoço!!!
beijos aos molhos mana, luv u
m

Anónimo disse...

Querida directora. A exposição da tua doença tem-te atormentado. As doenças estigmatizantes também nos dão deixam essa ansiedade no peito. Se a minha experiência te puder ajudar nalguma coisa, comntinua a ler! Não sei se sabes, mas no início dos meus 20 anos tive tuberculose e até tornar público o meu estado de saúde vivia assim, atormentada. Não te estou a dizer para contares. Deves fazê-lo se ou quando te sentires preparada. No meu caso fui obrigada pelo médico a fazê-lo no meu local de trabalho, na época o Se7e, (pois os que conviviam comigo teriam obrigatoriamente que fazer despistagem) chorei. A primeira pessoa com quem falei foi com o director (não era tão querido como tu) e não me aguentei à frente dele. Chorei outra vez. (tás-me a ver a chorar? pois...) Mas a partir desse dia, enfrentei a coisa como deve ser: com naturalidade. E foi um alívio. (OK, nos primeiros tempos passei a ser tema de conversa no café, mas deitei isso para trás das costas) Força. Isso passa. Be positive.
E a tua preocupação em relação à Jo é perfeitamente válida. És a mamã dela, e a melhor do mundo. Mesmo sendo ela tão pequenina, já escreveste que ela até te tem surpreendido com reacções intensas mas breves, como a mãe. Se calhar até te pede para cortar o cabelo também. Beijos muito grandes e força ps: hoje escrevi um testamento, sorry
xau-xau, ayé amanhã, até amanhã

beatriz disse...

vês...? o sol brilhou para ti e vai continuar a brilhar...vi na CNN WETHER :)
um beijo amigo e força!

Anónimo disse...

Que se foda o cabelo! Aproveita o sol. Beijos (joão mata)

Conceição disse...

Olá prima, hoje já esteve um dia de sol. Eu detesto dias cinzentos, deprimem qualquer ser humano. Achei piada dizeres que a Rita se parece com a avó, mas na minha opinião é uma bela mistura da mãe e do pai, mais do pai porque ela é muito parecida com ele quando tinha a mesma idade.
Continuas com força e isso é óptimo.

Beijos da São.

Lígia disse...

Consegues lembrar-te de quando eras pequena e partias ou estragavas algo que o teu pai ou a tua mãe gostavam muito? Era uma angustia... tentavas esconder a todo o custo e embora eles nem desconfiassesm, tu sentias que eles já haviam descoberto. As tantas, enchias-te de coragem e com a voz embargada, as lagrimas a cair e as pernas a tremer, confessavas tudo. Ele (ou ela), davam-te um abraço , um ralhete e mesmo que até ficasses de castigo, não te sentias sofucar com o segredo que até te tirava o sono. SEgue o teu coração. Eu vou estar sempre aqui e já te disse mais que uma vez. Tens que dar cabo desse gajo e eu sei que Tu és capaz. Doru tu tudo

Teresa disse...

Hoje pus a malta toda a ver o tempo!
Com o devido carinho por todas as vossas mensagens, deixo um grande beijinho à amiga que me chama querida directora (só por isso já vale o destaque), que deixou um relato pessoal muito bonito.
Prima São, hoje vi-te, mas não fui a tempo de te chamar. Da próxima que fores lá ver a nossa menina, bebe um café comigo, para discutirmos o assunto das parecenças.
Macaca, eu NUNCA estraguei nada que o papá e a mamã gostassem muito. Era uma menina exemplar...
Hoje recebi pedidos de receitas no wok! Não me dêem tanto crédito: atiro com tudo lá para dentro, tempero com ervas congeladas e deixo aquilo ali um bocadinho., até me parecer que já chega...

Anónimo disse...

quer dizer que finalmente estás a aprender a cozinhar... é que é mesmo só isso.
Ai não te livras não, almoço de três pratos!!
m