segunda-feira, 23 de março de 2009

Arghhhh!

Não queria dizer, mas a verdade é que a radioterapia está a custar-me imenso. O médico (o espanhol, lembram-se?) disse que não deveria sentir nada, mas passo o tempo todo a sentir tudo e mais alguma coisa. E nada de bom. Fortes dores de cabeça e no corpo, náuseas permanentes, um cansaço brutal, muito stresse por ir lá todos os dias, ver pessoas muito doentes, outras com vidas terríveis, enfim.... não há ponta por onde se lhe pegue. Só, talvez, valorizar o facto de o tratamento propriamente dito (que dura 45 segundos apesar do largo tempo de espera) ser completamente indolor. Já é qualquer coisa.
E quando o meu corpo fica doente, a minha cabeça também não vale grande coisa. Voltei a sentir-me deprimida e com menos força. Espero que passe depressa. Que tudo isto passasse depressa era, aliás, o grande desejo da minha vida. Mas como isso não vai acontecer, que seja o menos difícil posssível.
E, como dizia o Herman, a vida é como os interruptores: uns dias para cima, outros para baixo. Hoje, está claramente para baixo.

Beijos,
T.

7 comentários:

Ninia disse...

T., tu és a mulher mais forte que eu conheço. Que nós conhecemos.
Falta uma semana de radio. Só uma semana.
E lembra-te sempre que o mal que te sentes é da cura.

Anónimo disse...

Mana do meu coração, vais ver que o interruptor amanhã vai estar pelo menos a meio... não dá para perder as forças, agora não... podes e tens o direito de ter dias menos bons, mas também tens que conseguir dar a volta e pensar que a tua cura depende disso, tu sabes...
Estou aqui para o que precisares, ir contigo, falar ou simplesmente ficar calada do teu lado.
Vamos ter calma e acreditar que amanhã o sol vai brilhar mais alto.
Adoro-te muito muito, milhões de beijos grandes mana Grande

Pensa o melhor... força!

m

Fipas disse...

É natural que estejas farta, deve ser difícil lidar de novo com tratamentos, ir àquele local todos os dias, confrontada com tudo o que nos descreveste, não deve ser fácil, mas como a Ninia diz, és mesmo muito forte e embora saibamos que é impossível não ter esses baixos de vez em quando, no interruptor, a tua é uma luz que nunca se apaga (como as farmácias! ahahah), independentemente do interruptor. Por isso, é mesmo o que a Ninia disse: faltam poucos dias, um por um vais passá-los com força e determinação! Estamos cá a torcer, não estás sozinha, FORÇA MIGA!

Um bilião de beijinhos cheiiinhos de mimo :)

Susana disse...

Já falta pouco, a meta está próxima, estamos contigo. Go, Teresa, go!!!

Anónimo disse...

Só o facto de ires para esse lugar todos os dias, e deparares com os vários dramas que se vivem nesses lugares já é terrível, mas tens de ser forte. Já falta pouco.
Faz parte da tua cura teres de passar por isso.

Estamos todos contigo, a torcer pela tua cura

Beijos grandes

São

Anónimo disse...

O animal sente-se encurralado e não gosta... Que morra! Bj.
A.

Anónimo disse...

Querida amiga, hoje vim cá ver as notícias - o meu forte não é a net (belo tempo o do fax! isso é que era...tudo + lento!).

Quero dizer-te que adorei ter-te cá em casa, e claro à tua Joana (é muito querida!)!

MUITA, MMMMUUUIIIIITTTTTTTAAAAAA FORÇA, nesta ronda de tratamentos.

Em breve vou ligar-te para irmos almoçar ao sítio onde fazem o pão de ló que eu cá tinha.

Uma granda beijoca,

Madalena Milk