terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Rezar, sim; milagres, não

Em um pouco mais de três anos, desde que este fandango começou, que me têm sido sugeridas e dadas a conhecer muitas e variadas terapêuticas "alternativas". As minhas desculpas pelas aspas a quem esbarrou nelas... Na verdade, entre a descrença e o medo - este último insistentemente incutido pela minha médica 1 -, salvo uma pequena excepção de um xarope dos monges, nunca enveredei pelo caminho da auto-medicação (que é como a minha médica 2 chama a esse ato de tomar aquilo que ela não prescreveu). Mas na semana passada...

Pois estava eu entre a espada e a parede para aparecer na sexta-feira com umas análises imaculadas, que me devolvessem o direito a voltar a tomar o comprimido que me tem feito baixar marcadores tumorais e manter-me longe da quimioterapia, quando passo por uma loja dessas que vendem coisas "naturais". Entro. E foi o primeiro erro. Caçada por uma zelosa funcionária, saí de lá com menos quase 40 euros e um fantástico conjunto de ampolas, que tomadas à velocidade de uma por dia (duas nos casos mais difíceis) levaria à limpeza imediata do meu fígado sofredor. Era assim um género de produto milagroso para emagrecer mas em vez de ser eu, um caso mais ou menos perdido, seria o meu fígado, o gordo.

Cheguei então eu hoje à consulta com o espírito vitorioso dos mais espertos (deve ser isto que sentem os estúpidos com a triste ideia que são inteligentes) quando fui informada que a insuficiência hepática estava agravada, tendo as análises subido de forma "incompreensível". Quando percebi que a médica desconfiava que eu não tinha parado a medicação-bomba, de acordo com as suas ordens, e jurando eu a pés juntos que não tinha cometido tal desobediência, eis que se começa a formar no meu espírito, em forma de clara vergonha, a resolução do mistério: o raio das ampolas, claro... E confessei, lá teve de ser, jurando, desta vez, que nunca o tinha feito antes e que, conclusão óbvia, eu era, pronto, tontinha, irresponsável e, ok, muito, mas muito pouco inteligente, "pensando" (ai quando o burro pensa...) que mesmo que não fizesse bem, mal não faria certamente...

E, num dia de vários ensinamentos, sendo naturalmente o primeiro não voltar a entrar numa dessas lojas nem para comprar pasta de dentes de aloé vera, registo outro: "Teresa, a única coisa que não pode fazer mal é rezar..." Bolas, tinha logo que ser uma coisa tão difícil...
E, em sinal que o descernimento pode estar a querer voltar ao meu cérebro, hoje sinto-me uma pobre de espírito, aquela que não consegue rezar mas acreditou em milagres de lojas de produtos naturais...

T.













15 comentários:

Anónimo disse...

ai, ai ai, Teresa, nao acredito o que voce fez - quero lhe puxar as orelhas. Natural aproaches to cancer tratment present pros and cons. Did you do any research? Please promise you won't ever do that again. You may try yoga, meditation, acupuncture to control pain and nausea. If you cannot pray, that's ok, God does not mind. =) You alredy have a lot of people praying for you. Te amo e gosto de voce. ml

Anónimo disse...

Teresa, cai o mais avisado! Não te culpes e toca em frente. Um beijinho muito grande! Madalena

angelina disse...

Teresa minha querida
a culpa foi da pessoa que te fez acreditar em milagres lol
tambem ja cai muita vez eu foi com roupa que nunca vesti mas fica-me tão bem(mal)que acabei por a dar
beijinhos

maguie disse...

Beijinhos.....

laura disse...

Teresinha,

Rezar não é a sucessão de palavras tipo lenga lenga...

Rezar é muito mais do que isso...

Rezar é estar bem com nós mesmos, fazer os possíveis por amar e ajudar todos, saber escutar e sobretudo meditação positiva...

Natália disse...

Teresa não te culpes,quando estamos aflitas acreditamos em qualquer coisa que nos digam que faz bem.
Eu fui avisada desde o 1º dia para não misturar tratamentos "naturais" com os tratamentos de oncologia.
Foi-me dito que nada é natural e têm interferência nas medicação e nas analises.
Beijinhos.

Guida Palhota disse...

Olá, Teresa!

Quem nunca se deixou levar que te atire a primeira pedra!... Ninguém vai atirar! E tu já aprendeste e estás cá para fazer ver isso a toda a gente.

Um beijo grande

IsaLenca disse...

Beijinhos Teresa.

Lina Querubim disse...

Beijinhos!

Anónimo disse...

Amor, tens que ter calma, e acreditar, até agora tem corrido tudo muito melhor do que alguma vez pensaste, por favor, manda essa verdade, aldrabona mentirosa passear, lembra-te mana AMOR, medo não!!! Não inventes coisas que não existem, aproveita agora, que é tudo o que todos nós temos, nada mais!!
Amo-te, adoro-te e vai tudo correr bem!!!

Geninha disse...

OH Querida Teresa que e que nao caiu nessa, queremos ficar boas depressa e engolimos qualquer coisa. Acredita que te vais curar, pensa positivo e a medicação faz o resto. Beijinho grande com muito carinho TPLINDONA.

Janine disse...

Um beijinho enorme, querida TP.
Saudades...

Anónimo disse...

Olá Teresa,
Chamo-me Ana, estamos no mesmo barco, ou num parecido... Tenho seguido o seu blog e neste caso, fiquei curiosa em saber qual a composição dessas tais ampolas. Será que pode partilhar?
Beijinho e tudo aquilo que nos costumam desejar...
A.

Anónimo disse...

olá Teresa, um beijinho e tudo a correr bem.
Eu nunca entrei nessa coisa de "alternativas" por puro medo. beijinhos
ISabel Guerreiro

Gatapininha disse...

A vontade de acreditar nesses produtos é grande, ponha o dedo no ar quem nunca acreditou que ia resultar! As próximas análises já estarão melhor com certeza:)

Bom ano!!! jokas