sábado, 20 de fevereiro de 2010

Cabeça em arrumações

Olá, deixo-vos hoje um pouco daquilo que tem vindo a ser o  trabalho no Curso de Meditação Mindfulness em que estou a participar. Tendo em conta que torrente contínua e descontrolada de pensamentos, muitas das vezes negativos, me tem impedido de continuar a viver a minha vida de uma forma (no mínimo) satisfatória, posso dizer que a prática da meditação - que tem como único objectivo ficarmos mais atentos, logo, menos perdidos em pensamentos que nos paralisam e distraem - tem sido bastante interessante.

Os nossos pensamentos não são um espelho de quem somos e não são a realidade. São apenas uma interpretação da realidade tingida pelos nossos hábitos.

"Os pensamentos têm o poder de nos arrastar e de se alimentarem a si próprios. Quando ficamos irritados eles normalmente alimentam a justficam a irritação. Quando estamos em baixo são capazes de nos pôr ainda mais para baixo. Quando temos de nos concentrar, podem ser um enorme entrave à nossa capacidade de tomarmos atenção ao que estamos a fazer.

É, no entanto, possível notar os pensamentos e largá-los sem sermos arrastados por eles. Dessa forma, podemos descansar quando precisamos e pensar de forma eficiente e sem distrações de maior quando isso é necessário. Para isso, é necessário ver que nem tudo o que pensamos é verdadeiro ou define aquilo que somos.

Se vivermos uma vida em que damos mais atenção ao que está a acontecer à nossa volta no momento presente, como está o nosso corpo a sentir-se, como estamos a respirar, em que pensamentos estamos envoltos e que emoções nos dominam, isso permitirá agir de forma mais adequada ao que está realmente a acontecer. Deixamos de simplesmente reagir de forma habitual e deixamos de perpetuar padrões emocionais perturbadores e consequente insatisfação."

13 comentários:

Madalena disse...

Queida Teresa, obrigada. Tudo isto me atrai, me fascina e eu até acredito. Mas não sei se consigo compreender e "acertar" no momento em que é necessário largar, soltar o pensamento, transformá-lo, de modo a que ele possa interferir no natural curso das coisas. O problema é a minha limitação. Tenho de "malhar" nela, para ver se consigo viver com mais serenidade e mais alegria. Hoje, por exemplo, estou a pensar na filharada (2+ 1) que nada por aí a curtir a febre de sábado à noite debaixo de chuva... Sou mais parva que uma galinha do farmville. Beijinhossssssssssssss

Susana Neves disse...

Boa noite Teresa. Achei muito interessante o resumo que fizeste sobre o que tens aprendido.

Parece-me que os romanos resumiam isso na expressão "Carpe Diem".

É lixado isso de ficarmos presos ao passado e ao que me mau aconteceu. Quando o conseguimos, percebemos que a n/ memória relativiza tudo e, apesar de não esquecermos, parece que afinal não foi assim tão difícil. Pelo menos tenho-o sentido em vários momentos.

Tentar viver o presente, sem que o passado nos condicione é uma arte. Demora algum tempo, mas chega-se lá.

Ó pr´a mim a ver se me convenço disso.

Beijinhos e um excelente domingo

PS Boa Madalena. Mais parva que uma galinha do farmville é uma linda definição de mãe amorosa

Ninia disse...

Ainda bem que andas neste processo. Faz bem a toda a gente e só pode fazer-te a ti também. Um dia destes vou para um curso de meditação também. Estou a precisar de meter uns pensamentos na ordem.
Bjs

Lina Querubim disse...

Olá
andas a arrumar o sotão :) fazes bem eu faço-o com alguns livros, eu tenho sempre curiosidade e procuro respostas mas noutra área de forma que ando sempre á procura.
E vou sabendo dum livro aqui e um outro ali e leio para ver se o que tanto busco tem resposta, aquela que eu quero ouvir!
Beijokas bom domingo!!!

Anónimo disse...

Aceitar e largar... largar é sem dúvida a palavra de ordem...
Olha já que andas tão contente, que tal mandares-me o link que me prometeste?
Eu também sou uma fã da meditação, e NUNCA pensei conseguir... fico tão contente que estejas a gostar e que te possa ajudar...
Milhões de beijos mana
m

Anónimo disse...

Quem diria...achei muito interessante e acho que, de alguma forma, tenho (por mero instinto de sobrevivência) feito isso mesmo! Será q aqui por Faro há coisa do género? Achei interessante, sim!
TeresaM

Anónimo disse...

Grata pela partilha, musa inspiradora!

IsaLenca disse...

Se conseguíssemos conhecer mais profundamente o poder do nosso cerebro...assim há que tentar aproveitar o melhor possível a parte, pequenina, que está à mostra mas que por vezes é difícil transparecer.
Boa semana...recheada de "arrumações".

Janine disse...

Olá querida Teresa!
Fantástico o poder da mente...
Eu também concordo que por vezes os pensamentos nos libertam, outras vezes destroem.
Acho mesmo interessante a meditação! Um dia destes vou experimentar! Beijinhos

Anónimo disse...

"Tension is who you think you should be. Relaxation is who you are." ~ Chinese Proverb

Anónimo disse...

Achei muito interessante. Tudo é positivo deste que te ajude.Agarra tudo o que te faça sentir melhor.Que óptima notícia os indices tumorais baixarem, estou muito feliz por ti priminha.
Tudo a correr bem para ti e beijos muito grandes.
São

Fipas disse...

Belo texto Teresa. Fiz uma vez umas sessões e adorei, o pouco que aprendi apliquei no dia a dia e fez-me muito bem. Exemplo, numa insónia, onde aparecem tantas vezes os tais pensamentos, apliquei o que aprendi na meditação e consegui adormecer. Ninia estou contigo! Bora! Fico contente Tê, de abraçares esta aventura! Só pode fazer bem pois mal não faz de certeza...

Nela disse...

Os anos em que pratiquei Yoga ensinaram-me isso.
Mas é difícilllllllll...
Bjs